Técnicas, dicas, equipamentos, comparativos, fotografias, notícias, novidades e tudo sobre a fotografia.

Posts tagged “photographic cameras

Canon EOS 60D.

Canon 60D é oficial e já foi anunciada

Canon EOS 60D

 

Em temos de características, destaque para: sensor CMOS APS-C de 18 MP, processador DIGIG 4, ecrã LCD de 3″ (7,7 cm) articulado, sensibilidade ISO 100 a 6400 (expansível até 12800), velocidade de disparo de 5,3 fotos por segundo (até 58 em formato JPEG), gravação de vido em Full HD (1080p) e sistema de edição de vídeo na própria câmara.

A Canon Portugal ainda não divulgou os preços, mas já há sites europeus a anunciar um preço recomendado de 1149 euros para o corpo e 1399 euros para o kit onde a máquina é acompanhada de uma objetiva 18-135 mm.

Sensor CMOS de 18 MP
Ideal para quem pretende criar impressões grandes, tipo poster – ou cortar imagens sem perder nenhum dos detalhes necessários para impressão – o sensor CMOS de 18 MP da EOS 60D é extraordinário em situações de baixa luminosidade e produz imagens com muito pouco ruído.
Funções criativas avançadas
Use a sua imaginação para melhorar as suas fotografias com uma gama de filtros criativos como o efeito de toy camera ou de focagem suave. Estes filtros podem ser aplicados a imagens RAW e JPEG, dando-lhe controlo criativo depois de ter tirado a fotografia. O Basic+ permite-lhe aplicar um ambiente criativo em fotografias tiradas nos modos Basic (básicos), dando-lhe controlo criativo sem necessidade de um grande conhecimento fotográfico

LCD Clear View 3:2 de ângulo variável com 7,7 cm (3,0″)
Visualize imagens e vídeos pormenorizadamente ou capte ângulos únicos ou difíceis com o ecrã LCD Clear View 3:2 de 7,7 cm (3,0”) que inclui uma elevada contagem de 1 040 000 pontos para uma maior claridade. Passe para o modo Live View (Visualização directa) e utilize a função de alimentação visual em tempo real para o ajudar a captar o melhor ângulo.

Gravação de filmes Full HD
A EOS 60D combina a possibilidade de tirar fotografias excepcionais com a gravação de vídeos Full HD (1080p). Para satisfazer a sua criatividade, a EOS 60D inclui as funções de controlo manual total e intervalos de fotogramas variáveis. Pode ainda gravar filmes de 720p a alta velocidade: 50/60 fps para quando a acção é realmente rápida. A ligação HDMI permite a reprodução de filmes e imagens em Alta Definição em qualquer HDTV. Para televisores com função HDMI a reprodução pode ser controlada utilizando o telecomando.

DIGIC 4
O processador DIGIC 4 da Canon trabalha com o sensor CMOS proporcionando um processamento de imagens de 14 bits, para cores com tonalidades naturais e gradações suaves. O DIGIC 4 também possui funções de Redução de Ruído quando utiliza velocidades ISO mais elevadas, tempos de arranque extremamente rápidos e consulta da imagem quase instantânea após a captura.

Velocidade ISO elevada para baixa luminosidade
Quando os níveis de luz diminuem, a EOS 60D dispõe de um intervalo ISO de até 6400, expansível até 12 800, para aqueles ambientes onde não é aconselhável o uso de flash.

Sistema de medição iFCL
O sensor de medição de dupla camada de 63 zonas analisa as informações relativas à focagem, cor e luminância, oferecendo medições precisas e consistentes.

Ecrã de controlo rápido
Acessível através de um botão próprio, o ecrã facilita o acesso às funções mais utilizadas, assegurando que está pronto para tirar a fotografia quando necessário.

Crie um sistema de captura de imagens único para si
A EOS 60D é compatível com a gama completa de objectivas EF/EF-S e Speedlites da série EX da Canon.


Video – Aula 7 – Parte 1/2

Esta é a 1ª parte de 2, do 7º vídeo de 24.

Lição 07 (parte 1 de 2) – Primeiras fotos de exterior.

 


Sensores câmeras digitais (2).

Full frame vs APS-C

Tudo tem a ver com o tamanho do sensor, existem diferenças em vários aspectos dos sensores das máquinas fotográficas, como “absorvem a luz“, como transformam a cor, e neste caso a diferença de tamanhos dos sensores que geralmente difere de marca para marca e depende do tipo de máquina fotográfica. Tipo uma máquina chamada “profissional” tem um sensor maior do que uma máquina fotográfica de bolso, mas devido a custos as marcas tendem para ter o mesmo tamanho de sensores para os modelos chamados “equivalentes” ou “equiparados“.

As câmeras chamadas full-frame são as máquinas com sensores de tamanho equivalente às velhinhas máquinas fotográficas analógicas de filme de 35mm. Digamos que foi uma das maneiras de equipararmos as máquinas profissionais digitais às máquinas profissionais analógicas.

Os outros sensores mais pequenos são geralmente falados nos artigos de “crop factor”, tal como a palavra “crop” que indica cortar, que para quem usa um editor de fotografia em Inglês sabe que usa esta ferramenta para cortar parte da fotografias.

Mas será que a minha máquina é full-frame?

Os sensores de full-frame têm uma medida de 36mm x 24mm equiparando as máquinas de filme de 35mm. Estes sensores só são encontrados nas máquinas profissionais de topo das marcas de máquinas fotográficas, todas as restantes têm sensores mais pequenos… Existem sensores maiores mas para casos especiais…

Mas afinal qual é a diferença dos sensores em termos práticos?

Existem várias diferenças no produto final devido à diferença dos sensores, vejamos:

Pegamos numa máquina fotográfica DSLR com sensor abaixo de full-frame e metemos uma máquina DSLR full-frame no mesmo lugar, usamos a mesma lente e neste caso uma lente preparada para full-frame, se tirarmos a mesma fotografia com as mesmas características podemos encontras várias diferenças:

Notamos que a imagem fica mais pequena na máquina DSLR de sensor menor que na máquina DSLR de full-frame e porquê? É devido a esta diferença que falam dos sensores abaixo de full-frame com como croped e passo a explicar:

Se temos uma lente preparada para full-frame quer dizer que a lente tem que “dar” uma imagem do tamanho do sensor que seria de 36mm x 24mm, ora se o sensor da nossa máquina fotográfica tiver menos que esta medida quer dizer que só vai apanhar parte desta imagem… Por essa razão é falado em “crop”.

As marcas de máquina fotográficas têm geralmente um standard para as máquinas fotográficas com sensores abaixo das full-frame, geralmente esse standard difere como já tinha dito de marca para marca, mas é medido pelo factor de “crop” que efectua na imagem.

Marca
Crop
Canon 1.6x
Nikon 1.5x
Olympus 2.0x
Pentax 1.5x
Sony 1.5x

Mas afinal o que quer dizer este 1.6, 1.5, 2….?

Quer dizer que se tirarmos uma fotografia com uma máquina DSLR que tenha um factor de “crop”, vamos mas é falar em Português, uma máquina que tenha o factor de “corte” de 1.5 quer dizer que corta 1/5 da fotografia. mas não só, quer dizer que com a mesma lente a máquina com o sensor mais pequeno tem maior zoom que a máquina de full-frame. Isto porque capta parte da imagem e não necessitamos de estar tão perto para captar o mesmo tamanho de imagem que a full-frame. Era por isso que falei na mensagem das lentes manuais antigas que as lentes correspondiam a valores maiores que os valores que têm, porque estas lentes foram feitas para máquinas fotográficas de 35mm. seria algo como:

Lente Crop
Valor Final
50mm 1.5x 50mm x 1.5 = 75mm
50mm 1.6x 50mm x 1.6 = 80mm
100mm 1.5x 100mm x 1.5 = 75mm
100mm 1.6x 100mm x 1.6 = 160mm
200mm 1.5x 200mm x 1.5 = 300mm
200mm 1.6x 320mm x 1.6 = 75mm

Ok, se acham que as diferenças ficaram por aqui estão enganados. Porque se o zoom é maior quer dizer que o campo de profundidade é diferente usando o mesmo f. Quanto maior é o zoom e maior o f, maior é o campo de profundidade. Por isso é simples se a lente é de 50mm em full-frame nos outros sensores equivale a um valor mais alto, por essa razão os sensores mais pequenos têm mais campo de profundidade.

E o que será que acontece com as lentes angulares para paisagem? Pois é, a lente em full-frame apanha um ângulo muito maior do que as outras com a mesma lente pois apanha mais imagem devido ao tamanho do sensor e ao multiplicador que vimos acima…

Os sensores de full-frame produzem menos “grão digital” ou ruído nas fotografias.

E ainda, como o sensor é maior necessita de mais luz para tirar a mesma fotografia que os outros tipos de sensor. É devido a esses problemas que por vezes notamos um pouco escuro nos cantos das fotos. Este efeito é geralmente chamado de “Vignette“/vinhetagem.

As desvantagens da máquinas de full-frame são o facto de serem muito mais caras que as outras, e também pelo facto de as lentes de valor “razoável” estarem também preparadas para máquinas de sensores inferiores o que indica que não são as melhores escolhas para as máquinas fotográficas de full-frame, o que nos leva às lentes “caríssimas”.

Fonte: efotospt.com

Artigo relacionado: Sensores câmeras digitais (1)


Sensores câmeras digitais (1).

Tipos de sensores

Nem todos os sensores de câmeras digitais são iguais. Eles têm diferenças quanto à sua fabricação e consumo de energia. Veja os principais modelos existentes.

CCD (charge-coupled device) – é o tipo mais comum e equipa a maioria das câmeras compactas e DSLR. Apesar de sua qualidade de captura de imagem ser a melhor que existe, consome muita energia e a sua produção é cara.

CMOS (complementary metal-oxide-semiconductor) – sensores mais baratos e com baixo consumo de energia. Seus resultados costumam ser abaixo da qualidade do CCD, mas o seu preço faz com que ele equipe a maioria das câmeras de baixa qualidade à venda no mercado, mas é usado com sucesso nas DSLR da Canon, onde os factores de qualidade da lente e do processador interno fazem a diferença.

Foveon – Sensor desenvolvido pela Sigma para equipar as suas câmeras reflex. O Foveon baseia-se numa tecnologia de três camadas, onde cada uma é responsável por capturar uma das três cores primárias (vermelho, verde, azul). Nos sensores comuns as três cores são capturadas numa única camada em forma de mosaico.

O futuro – por mais que a tecnologia avance dia a dia, algumas surpresas ainda estão por vir. A Fuji está a trabalhar numa tecnologia muito parecida com a do Foveon e baptizou o seu projeto como Sensor Orgânico (CMOS Organic Image Sensor). Este sensor vai tornar tudo que conhecemos como fotografia digital obsoleto.

Tamanho do sensor

Esse é um fator muito importante. Existem vários tamanhos de sensores no mercado. A norma dita que quanto maior o sensor melhor vai ser a qualidade da imagem. Isso acontece também por conta do tamanho dos píxeis. Quando dizemos que uma câmera tem 5 megapíxels estamos afirmando que existem 5 milhões de píxels no sensor. Quando um fabricante lança um novo modelo com 6 megapíxels, mas com o sensor do mesmo tamanho do modelo anterior, implica numa diminuição do tamanho do píxel para que mais um milhão sejam alojados nesse sensor. O píxel é a unidade básica de captação de luz no sensor. Quanto maior for seu tamanho físico melhor será a qualidade da imagem. Veja na figura abaixo a relação de tamanhos de sensores disponíveis no mercado.

Existem duas câmeras com sensores do mesmo tamanho que os antigos negativos de 35mm as câmeras com sensores Fullframe.  As demais  utilizam sensores menores que causam distorções nas distâncias focais das lentes (factor de corte,ou crop). O principal efeito causado pela diminuição constante do tamanho do píxel é o nível de ruído em fotos com pouca luz. O ruído é uma aberração cromática onde o píxel comporta-se de maneira errada e apresentando uma cor que não é real, gerando uma granulação estranha na foto. Isso acontece com fotos onde o ISO é elevado.

Da próxima vez que for comprar uma câmera fique atento nestes detalhes. O tamanho e o tipo do sensor da câmera podem oferecer um indicativo da qualidade do equipamento. Desconfie de equipamentos compactos com um zilhão de píxeis e sensores pequenos.

Fontelorenti.org

Artigo relacionado: Sensores câmeras digitais (2)


Video – Aula 6 – Parte 2/2

Esta é a 2ª parte de 2, do 6º vídeo de 24.

Lição 06 (parte 2 de 2) – Manejo de uma câmera manual.


Video – Aula 6 – Parte 1/2

Esta é a 1ª parte de 2, do 6º vídeo de 24.

Lição 06 (parte 1 de 2) – Manejo de uma câmera manual.


Video – Aula 5 – Parte 3/3

Esta é a 3ª parte de 3, do 5º vídeo de 24.

Lição 05 (parte 3 de 3) – Manejo de uma câmera manual.


Video – Aula 5 – Parte 2/3

Esta é a 2ª parte de 3, do 5º vídeo de 24.

Lição 05 (parte 2 de 3) – Manejo de uma câmera manual.


Video – Aula 5 – Parte 1/3

Esta é a 1ª parte de 3, do 5º vídeo de 24.

Lição 05 (parte 1 de 3) – Manejo de uma câmera manual.


Video – Aula 4

Este é o 4º vídeo de 24.

Lição 04 – Partes importantes da sua câmera fotográfica.


Simulador de câmera SLR online.

Interessante, pena o motivo não mudar. Veja e experimente o: Simulador de câmera SLR online.


Video-Aula 3

Este é o 3º vídeo de 24.

Lição 03 – Utilização da câmera fotográfica.


Curso de fotografia digital em video – 02-24

Apesar de ser em espanhol, compreendem-se bastante bem as lições.

Este é o 2º vídeo de 24.

Lição 02 – A nossa câmera fotográfica.


Curso de fotografia digital em video – 01-24

Apesar de ser em espanhol, compreendem-se bastante bem as lições.

Este é o 1º vídeo de 24. Tenho a certeza que irá ser bastante útil para muita gente.

Lição 01 – Que câmera devo de escolher?


Canon EOS 600D.

Canon EOS 600D

Com resolução de 18 megapixels inovadora na sua classe, design de fácil utilização e a gama completa de objectivas e acessórios EOS à sua disposição, a EOS 600D não deixa que nada interfira com as suas fotografias.

Características

  • Sensor CMOS de 18 megapixels
  • Modo de Cena automática inteligente
  • Filmes EOS em Full HD
  • Guia de funções no ecrã
  • Gravação contínua de 3,7 fps
  • AF de área ampla de 9 pontos
  • Ecrã de 7,7 cm (3,0”) com 1040 mil pontos e ângulo variável
  • Filtros criativos e Basic+
  • Controlo de flash sem fios incorporado

Sensor CMOS APS-C de 18 MP
O sensor CMOS APS-C de 18 megapixels captura imagens repletas de detalhes e claridade. Uma alta resolução destas permite impressões de tamanho grande e a flexibilidade de recortar imagens para composições alternativas.

Sensibilidade ISO 100-6400
O intervalo ISO de 100-6400, extensível até ISO 12 800, permite fotografar manualmente e com alta qualidade em condições de pouca luz, sem necessidade de flash.

Processamento de imagem de 14 bits
No núcleo da Canon EOS 600D está um processador de imagens DIGIC 4 de 14 bits que proporciona uma reprodução de cores excepcional, uma gradação de cor suave e um controlo rigoroso do ruído.

Modo de Cena automática inteligente
A Cena automática inteligente analisa cada cena em detalhe e selecciona sempre a definição certa da câmara, deixando que se concentre no que é importante – a sua fotografia.

Guia de funções no ecrã
O guia de funções da EOS 600D fornece descrições de muitas das funções da câmara, assim como conselhos sobre como as utilizar.

Filmes EOS em Full HD
Grave filmes em Full HD com controlo manual sobre o intervalo de fotogramas, a exposição e o som. A tecnologia de Fotografias de Vídeo permite que clips de 2, 4 ou 8 seg. sejam unidos num único ficheiro de filme, para obter um vídeo com aspecto de ter sido editado profissionalmente, enquanto o Zoom digital de filme permite ampliações de 3-10x, mantendo a qualidade Full HD.

AF de área ampla de 9 pontos e medição iFCL
Nove pontos AF, incluindo um sensor cruzado central, espalhado pela moldura para uma focagem rápida e precisa, mesmo com motivos descentrados. A medição iFCL de 63 zonas garante sempre exposições precisas.

Ecrã de 7,7 cm (3,0”) com 1040 mil pontos e ângulo variável
Fotografe a partir de ângulos únicos com um ecrã LCD Clear View 3:2 de 7,7 cm (3,0”), com 1040 000 pontos para uma maior claridade.

Basic +
A tecnologia Basic+ permite que os fotógrafos personalizem as definições automáticas básicas de acordo com as condições de iluminação ou o ambiente.

Efeitos de filtros criativos
Os efeitos de filtros criativos podem ser aplicados a ficheiros Raw e JPEG após a sua captura, incluindo simulações de efeito Câmara brinquedo, Focagem suave, Miniatura, Preto e branco granulado e Olho de peixe.

Controlo de flash sem fios incorporado
Um controlador de flash Speedlite sem fios integrado e a tecnologia sem fios fácil permitem flash TTL externo sem a necessidade de acessórios extra.

Utilize com qualquer objectiva EF e EF-S
A EOS 600D é suportada por todo o sistema: unidades de flash, controlos remotos e um sistema de mais de 60 objectivas em que fotógrafos profissionais de todo o mundo confiam.


Modos de fotografia – Modos manuais.

Selector de modos

Modo de programa automático

Este modo é bastante semelhante ao modo automático, mas já entra no grupo de modo manual devido às suas funcionalidades.

Pode alterar a abertura e a velocidade do obturador, também pode alterar a compensação de exposição.

A máquina calcula qual a melhor abertura e tempo de exposição, e pode se lhe convier alterar estes valores mas “automáticamente”, ou seja, ao alterarmos para “+” ou “-“a câmera calcula outros valores para mais ou menos abertura, e mais ou menos velocidade do obturador, não sendo assim possível escolher exactamente os valores que queremos, estamos sempre dependentes dos cálculos da maquina fotográfica.

Na compensação de exposição  podemos escolher à vontade se queremos mais ou menos compensação.

É utilizado quando se está na dúvida de qual o modo que se tem de escolher, se por exemplo queremos mais nitidez nos objectos distantes e podemos alterar a abertura, temos objectos em movimento e podemos diminuir o tempo de exposição.

Resultados esperados:

  • A câmera vai calcular “automáticamente” (pelo tipo de fotografia que deseja tirar) os valores mais correctos de abertura e tempo de exposição. Mas ao contrário do modo automático, neste modo pode seleccionar mais ou menos tempo de exposição, e mais ou menos abertura. Pode igualmente seleccionar a compensação de exposição que deseja.

Contras:

  • Não pode optar se quiser escolher a abertura e velocidade de obturador que deseja.

Modo prioridade de velocidade de obturação

Este modo tal como o nome indica está relacionado com o tempo de velocidade de obturação (exposição). Neste modo podemos escolher livremente qual a velocidade de obturação (tempo de exposição) desejado e ao focar a imagem, a câmera vai calcular qual a abertura necessária para compensar a velocidade de obturação (tempo de exposição) escolhido.

É também possível alterar a compensação de exposição, os valores ISO, balanços de brancos, etc… Não é possível neste modo alterar o valor de abertura.

Velocidades mais altas de obturação congelam a ação e geralmente exigem mais luz e abertura maior(número menor de f-stop). Velocidades mais baixas permitem que as imagens sejam captadas com menos luz com abertura menor(número maior de f-stop).

Resultados esperados:

  • Pode escolher livremente a velocidade de obturação (tempo de exposição) da imagem, e a câmera calcula  qual o melhor valor de abertura para a velocidade de obturação escolhido. Pode também alterar qualquer outro parâmetro da câmera, desde a compensação de exposição, o valor de ISO, balanço de brancos, etc… A única coisa que é calculada e que não pode alterar é o valor da abertura.

Contras:

  • Ao não poder escolher o valor de abertura pode ser difícil de manter a velocidade de obturação que deseja, se também tiver interesse que o fundo da foto fique nítido ou não.

Modo Manual

O modo manual é o que oferece o controle completo sobre todas as definições da câmera em simultâneo. Nesse modo pode-se utilizar o fotómetro da máquina para fazer a leitura da cena e ajustar os valores de exposição. Utiliza-se os controles manuais principalmente em condições que enganam o modo automático da máquina (situações de alto contraste, por exemplo) ou para gerar efeitos criativos nas imagens.

Resultados esperados:

  • Total controle sobre todas as definições da máquina, velocidade de obturação, abertura, ISO, balanço de brancos, etc…

Contras:

Para os mais iniciados este modo não é o mais indicado de utilizar. Depois de entender todos os conceitos sobre exposição, abertura, ISO, EV etc… Aí sim comece a fotografar neste modo, pois terá liberdade total sobre todas as definições da câmera.

Artigo relacionado: Modos de fotografia – Modos Automáticos.


Modos de fotografia – Modos automáticos.

Selector de modos

Modo Paisagem 

Este modo geralmente é usado para fotografar para paisagens, onde queremos nitidez em toda a fotografia. Esta é principal característica deste modo.

Podem usar este modo para panoramas amplos, fotografia nocturna e para uma boa focagem dos objectos em primeiro e segundo plano.

Resultados esperados:
  • Condiciona a câmera a obter imagem com nitidez se estendendo do primeiro plano até o infinito.
  • Diminuição da velocidade para usar pequenas aberturas que dão mais nitidez em profundidade.
Contras:
  • Não serve para fotografias onde queiramos destacar um  “objecto”.
  • Para fotografias tipo macro a objectos bastante perto da máquina, está fora de questão, pode levar a fotografias sem percepção.
  • Devido à utilização de aberturas pequenas, a velocidade do obturador ao compensar pode ser demasiado lenta. Obrigando assim ao recurso do tripé.
  • Igualmente devido a utilizar aberturas pequenas a máquina para compensar pode elevar bastante a ISO, levando assim a uma fotografia com “ruído”/ “grão”.

Modo Retrato

Este modo geralmente é usado para fotografar pessoas e animais, o que faz é focar o “objecto” em questão e desfocar o fundo.

Resultados esperados:

  • Dá destaque à pessoa fotografada tirando o foco do resto da cena.
  • Aumento da abertura para obter um fundo desfocado.

Contras:

  • Não serve para tirar fotografias de paisagens.
  • Tudo em volta do “sujeito” fica desfocado.

Modo nocturno

Para fotografar  à noite ou em ambientes com pouca luz e obter um fundo com uma exposição de aspecto natural. Este modo pode igualmente ser utilizado em plena luz do dia, em situações onde o objecto não é totalmente iluminado de uma forma constante.

Resultados esperados:

  • Menos exposição para evitar ofuscamento.
  • Usa sempre valores de abertura altos.
  • Usa sempre a velocidade do obturador mais baixa dependendo do zoom.
  • Usa sempre valores de ISO altos.

Contras:

  • Não serve para tirar fotografias de paisagens à noite.
  • Tudo em volta do “sujeito” fica desfocado.
  • O ISO muito elevado pode criar “ruído”/”grão” na fotografia.
  • A intensidade do flash pode deixar as pessoas com um tom de pele demasiado claro.

Modo desporto

Para fotografar um motivo em movimento, seja uma criança correndo ou uma corrida de carros. Ao usarmos este modo a máquina vai obter a imagem no mais curto espaço de tempo possível, congelando assim o movimento.

Resultados esperados:

  • Aumento da sensibilidade para usar altas velocidades de captura de objetos.
  • Usa valores de abertura os mais altos que puder.
  • Usa a velocidade de obturador mais rápida que.
  • Caso necessite aumenta os valores de ISO para compensar a velocidade do obturador.

Contras:

  • Não indicado para fotografar paisagens.

Modo macro:

Este tipo de fotografia captura os mínimos detalhes dos objetos, detalhes até que não podem ser vistos a olho nu. Fotos de macro são utilizadas geralmente para obter fotos de insectos, pequenos objectos, olhos (de perto), flores, etc… Aproxime-se o máximo possível do motivo. Verifique a distância mínima de focagem da objetiva.

Resultados esperados:

  • Usa a abertura alta para desfocar o fundo.
  • Grande ampliação e nitidez em objectos muito pequenos.

Contras:

  • Geralmente é necessário uma lente macro para obter resultados perfeitos (caso tenha uma objectiva zoom, use a parte da teleobjectiva para fotografar).

Modo automático

Neste modo quem decide é a câmera, assume o total controle da abertura, velocidade de obturação, ISO, etc…

Resultados esperados:

  • A câmera vai definir os melhores valores para o assunto que quer captar. É o chamado point and shoot.

Contras:

  • Os valores que a câmera irá definir, poderão não ser os mais correctos para o tipo de fotografia que vai tirar.

Tipos de câmeras digitais.

Câmeras Compactas

Estas câmeras são indicadas para pessoas que não necessitam de impressões em grandes formatos ou não têm interesse em desenvolver habilidades fotográficas mais avançadas. Esses equipamentos oferecem actualmente um número elevado de megapixels de resolução, com alguns modelos oferecendo zoom óptico de 10X e mais.

Ao comprar veja se você quer bastante “zoom”. Se quiser bastante zoom  lembre-se: bastante zoom óptico. “Zoom digital” é a mesma coisa que ampliar no Photoshop: perde totalmente a qualidade. Não se engane considere o Zoom Óptico.

As câmeras compactas já possuem uma resolução bem razoável e são extremamente fáceis de utilizar.

Normalmente, o grande atractivo dessas máquinas é o baixo custo e a facilidade de uso. São compactas, podendo ser levadas para qualquer local e fornecendo um meio fácil de registar os momentos familiares,  ou fotografar para uso na web.

As câmeras compactas não deixam você controlar muita coisa, e mesmo quando têm algumas opções o resultado final nunca é 100% satisfatório. Compre uma compacta se seu objetivo é só apontar e clicar.

Câmeras Super Zoom (Bridge)

Também conhecidas como câmeras bridge, estas câmeras possuem recursos para os utilizadores com conhecimentos médios e até alguns recursos profissionais. Essa categoria inclui desde as câmeras com lente fixa até as com lentes intercambiáveis (SLR) mais básicas. Possuem resoluções relativamente altas,  e zoom óptico à volta de 18X.

As câmeras semi-profissionais são uma boa opção para quem deseja utilizar alguns recursos avançados a um preço razoável.

Entre os recursos mais atractivos estão o controle automático de exposição, programas automáticos para situações diversas, foco automático, baixo peso e custo acessível. É a melhor escolha para quem pretende aprofundar suas habilidade fotográficas.

Câmeras DSLR

As câmeras DSLR (Digital Single Lens Reflex) aliam os recursos profissionais de uma máquina analógica 35mm SLR. Possuem resoluções que ultrapassam os 20 megapixels nos modelos mais caros e lentes intercambiáveis, sendo indicadas para profissionais que necessitem de impressões em formatos médios a grandes.

As câmeras digitais DSLR possuem lentes intercambiáveis e controles avançados de exposição e imagem.

Os principais atrativos desses equipamentos são a proximidade de operação com as máquinas 35mm convencionais, a grande flexibilidade oferecida pelas lentes intercambiáveis e a possibilidade de uso de acessórios de estúdio profissionais.

A diferença entre as compactas e as SLRs é a troca de lentes, as lentes são muito importantes para a qualidade de uma fotografia. As lentes duram uma vida, as câmeras são trocadas sempre que aparece um modelo novo. Então invista nas lentes.

Com estas máquinas tem poder sem limites sobre o controle de funções, abertura, exposição, ISO etc.

Como os modelos descritos acima a maioria  têm função “live view” (fotografar através do LCD, alguns são rebatíveis), e apresentam já opção vídeo em HD.